PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Mais uma daquelas histórias que prova que o amor é uma escolha! A policial civil Flaviana Bezerra escolheu amar cinco filhos de uma vítima de homicídio.

O dia era 5 de agosto de 2018. Flaviana tinha acabado de retornar das férias quando ela e a equipe de plantão na Divisão de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) em Natal (RN) receberam uma ocorrência.

Um homem tinha sido baleado na frente do neto e de cinco filhos: três crianças, dois adolescentes e um bebê de 11 meses, filho da mais velha do grupo. A mãe deles morreu em 2015, durante uma cirurgia.

selfie mulher

selfie mulher

A maternidade não estava nos planos de Flaviana. Foto: Arquivo pessoal

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Flaviana nunca pensou em ser mãe, ela não poderia imaginar, mas a maternidade começava ali. A casa onde as crianças e os adolescentes estavam tinha muito lixo, e nenhum “grão de comida”.

Lar temporário

A policial e seus colegas levaram os meninos para a casa de uma tia, que não tinha muita condição de receber os sobrinhos. Eles também não podiam ficar na antiga casa porque o assassino do pai poderia morar em Paramirim, Região Metropolitana de Natal, local do crime.

Eles ficaram na casa da tia por algumas semanas. Flaviana mandou uma mensagem no grupo da Polícia Civil no WhatsApp pedindo doações. Com o dinheiro, a policial comprou alimentos e deixou na casa da tia das crianças e dos adolescentes.

mulher mãos dados menina

mulher mãos dados menina

Foto: Inter TV Cabugi/Reprodução

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

A mensagem que mandou para os colegas vazou e as doações só aumentaram! O dinheiro arrecadado daria para pagar o aluguel de uma casa para os meninos durante um ano.

Participe do nosso canal no Telegram e receba todas as matérias e novidades do Razões, clique aqui.

Uma parente foi morar com eles na casa que Flaviana conseguiu alugar. O envolvimento da policial com os seis naquele momento já era muito forte.

“O vínculo afetivo já era muito forte. Eles eram muito inocentes, no dia que o pai morreu eles disseram que antes estavam muito felizes porque tinham comido pizza pela primeira vez. Tinham uma admiração enorme pelo pai, gostavam muito dele”, lembra.

PUBLICIDADE

CONTINUE LENDO ABAIXO

Adoção

A adoção começa a ganhar forma quando a parente dos meninos resolve sair da cidade. Eles não poderiam ficar sozinhos: seriam levados para um orfanato. Flaviana definitivamente não deixou isso acontecer.

“Eu nunca tive esse sonho tradicional de casar e ter filhos, mas aconteceu e acredito que não foi por acaso. No começo foi mais difícil ainda, mas hoje as crianças são muito minhas e eu sou muito delas. Eles são apaixonados pela minha família e minha família por eles. Foi a adoção familiar completa”, afirma.

família andando calçada

família andando calçada

Flaviana e três de seus cinco filhos. Foto:  Foto: Inter TV Cabugi/Reprodução

A policial de 44 anos oficializou o pedido de adoção em agosto do ano passado. Em novembro, saiu a confirmação. Ela conseguiu a guarda de dois meninos, um de 2 e outro de 11 anos; e três meninas, de 8, 13 e 16 anos. A mais velha dos irmãos vai fazer 18 anos e decidiu morar sozinha.

Vem se emocionar mais um pouquinho com a história do policial americano que adotou a bebê de uma moradora em situação de rua e dependente química.

Fonte: G1

Artigos relacionados
Carregar mais por redação
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Empregada passa mal, é levada a hospital particular e patrões exigem que ela pague a conta

Sunaika Bruna e Lucas Lira demitiram Regiane Roza em meio a polêmica (Instagram/Reprodução…