Essa é sua matéria grátis do dia. Assine agora e tenha acesso ilimitado.R$ 0,99 no 1º mês

Advogados criminalistas reclamam que ainda não estão conseguindo acessar o atendimento virtual do Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) para falar com seus clientes que estão presos, a despeito de uma liminar já obtida desde o último dia 3, e que autoriza o uso da ferramenta. O chamado “Parlatório Virtual”, criado no último dia 23, se tornou uma ferramenta importante diante das restrições relacionadas à pandemia do novo coronavírus.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

Uma liminar assinada pelo desembargador José Maurício Pinto de Almeida, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça, já determinou que o Depen restabeleça o “Parlatório Virtual”, mas advogados sustentam que isso ainda não foi feito e que a Secretaria de Estado da Segurança Pública (Sesp), que abriga o Depen, está descumprindo uma decisão judicial.

Autoras do mandado de segurança que gerou a liminar, a Associação Brasileira de Criminalistas (Abracrim) e a Associação Paranaense de Advogados Criminalistas (Apacrimi) alegaram que o secretário estadual da Segurança Pública, Romulo Marinho Soares, suspendeu o atendimento virtual dos advogados aos seus clientes presos “sem qualquer justificativa ou fundamentação plausível”. Também apontaram que a decisão de suspensão não foi comunicada ao TJ, nem à OAB e nem ao Ministério Público, que participaram da criação do Parlatório Virtual.

Sesp diz que autoriza “acesso presencial” em casos “urgentes”

Procurada pela Gazeta do Povo, a Sesp se manifestou no início da noite desta terça-feira (7), através de uma nota, na qual não explica o motivo da suspensão do Parlatório Virtual, nem as razões do descumprimento da liminar, e acrescenta que o “acesso presencial” de advogados está sendo permitido em situações “urgentes”.

“A Secretaria de Estado da Segurança Pública informa que, tomando as devidas precauções de combate à proliferação da Covid-19, está permitindo aos advogados o acesso presencial aos seus clientes presos, em decorrência de necessidades urgentes, o que está alinhado com a posição do Depen Nacional e do próprio Supremo Tribunal Federal. Quanto à liminar, as informações já foram prestadas nos autos”, diz a nota.

Veja Também:

Fonte: Gazeta do Povo

Artigos relacionados
Carregar mais por redação
Carregar mais em Curitiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Presidente confirma mais duas parcelas do auxílio emergencial

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (4) que foi acertado o pagamento de…