Essa é sua matéria grátis do dia. Assine agora e tenha acesso ilimitado.R$ 0,99 no 1º mês

Apesar do aumento colossal no uso, ainda não há falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) para agentes de saúde, apontaram dirigentes de federações e associações de hospitais do Paraná, em coletiva por videoconferência na manhã desta quinta-feira (9). Ainda assim, os profissionais apontaram que existe um “uso racional” desses materiais, além de uma preocupação com o fornecimento nas próximas semanas – até porque o número de casos de coronavírus no Paraná sobe diariamente.

RECEBA notícias do Paraná pelo WhatsApp

De acordo com Flaviano Feu Ventorim, presidentes da Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná (Femipa) e do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná (Sindipar), as instituições estão aplicando medidas de contenção no uso de máscaras e aventais cirúrgicos, por exemplo. “Uma máscara N95 só está sendo entregue para quem atende um paciente suspeito ou com confirmação de Covid-19”, indicou.

“Claro que isso gera um temor [em outros trabalhadores de um hospital, como funcionários administrativos]. Estamos fazendo treinamentos para diminuir esse temor, além de dar orientação sobre como se paramentar”, apontou.

De acordo com os dirigentes, esse temor tem levado a denúncias falsas de falta de equipamentos de proteção, feitas por funcionários que não precisariam necessariamente usar os EPIs e até mesmo pessoas que sequer têm relação com o hospital. “Eu mesmo registrei um boletim de ocorrência por difamação contra uma pessoa que postou em uma rede social que uma instituição não estava fornecendo máscaras”, disse Ventorim.

O presidente do Sindipar não descarta, no entanto, que possa haver falta de materiais no futuro. Embora muitas empresas tenham começado a fabricar máscaras e aventais, ele destacou que existe uma dificuldade em trazer matéria-prima para tais materiais, sobretudo o tecido especial TNT – com proteção bacteriológica elevada.

“O consumo explodiu. Somente em um hospital que tinha sete pacientes com suspeita de Covid-19, chegaram a usar 300 aventais em só dia”, apontou Ventorim. Além disso, o preço tem se tornado quase impeditivo em meio à pandemia de coronavírus. Máscaras que eram compradas a R$ 0,90, passaram a ter preço de R$ 2,50. Um lote com 100 mil unidades, que custava R$ 9 mil, chega a R$ 250 mil, ele apontou.

Participaram também da coletiva o presidente da da Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná (Fehospar), Rangel da Silva, e da Associação dos Hospitais do Paraná (Ahopar), José Octávio da Silva Leme Neto.

Veja Também:

  • Ratinho

    Ratinho Junior fala de “maratona” contra vírus ao visitar hospital com 52 novos leitos de UTI

  • Internet:

    Internet: redução da qualidade do streaming alivia pressão sobre o sistema

  • Mais

    Mais duas pessoas morrem em Paranaguá por coronavírus

Fonte: Gazeta do Povo

Artigos relacionados
Carregar mais por redação
Carregar mais em Curitiba

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Saint-Gobain Abrasivos divulga oportunidade(s) para Desenvolvedor Salesforce – v2078809

Descrição Pré-requisitos: ·         Formação superior completa ·&…